COMO UTILIZAR A TELEVISÃO NA EDUCAÇÃO DA CRIANÇA

Postado em 18/10/2017

COMO UTILIZAR A TELEVISÃO NA EDUCAÇÃO DA CRIANÇA

É comum presenciarmos questionamentos a respeito do uso excessivo do computador, porém, é necessário discutir também a utilização da televisão, que geralmente ocorre de forma exagerada, a ponto de uma criança passar horas e horas de frente ao aparelho sem o controle de um responsável para filtrar o que é bom e aproveitável para ela.

Apesar de não ser uma situação fácil, pois exige certo esforço dos pais, visto que terão que tentar, na medida do possível, verificar o que seu filho está assistindo, não se trata de uma conduta impossível de adotar, principalmente por ser uma questão voltada para propiciar benefícios que somarão na educação e no aprendizado da criança.

O que se percebe é que grande parte dos pais apresentam diversas dúvidas em relação a esse assunto e se queixam de a escola abordar muito pouco essa questão, devendo ter uma postura mais analítica e crítica.

Com o objetivo de auxiliar os inúmeros pais preocupados com o que seus filhos estão acostumados a assistir na televisão, apresentamos algumas condutas que os pais ou responsáveis podem adotar visando à formação e a aprendizagem adequada conforme a faixa etária de cada criança;

• Aos pais que trabalham fora o dia todo é recomendável que no momento em que estiver presente, evitar assistir TV todo o tempo, propondo outras atividades e até mesmo dialogando mais com a criança;

• Lembrar que os pais são exemplos para os filhos, se têm a intenção de assistir algo que não condiz com a idade da criança deve assistir depois que a criança se deitar ou durante a ausência dessa no ambiente, até mesmo para assistir com liberdade.

• Não impor para a criança que não deve assistir determinada coisa. Dependendo do programa, assista junto com ela, expondo as coisas positivas e/ou negativas, realizar questionamentos com a finalidade de saber por que a criança gosta de assistir certo programa também pode ser proveitoso, fazer acordos com a criança de forma que se torne menos nocivo à proibição de algo que passa na televisão;

• Ter a consciência de que independentemente da idade que a criança apresente, sempre é possível modificar seus hábitos quanto à televisão.

• Certas cenas, dependendo da idade da criança, devem ser totalmente evitadas; conforme o bom senso dos pais, algumas cenas podem ser assistidas e em seguida explicadas.

Conforme a maneira utilizada, a televisão oferece conhecimento, mas não significa que a criança ao assistir programas televisivos fica mais inteligente do que a que não tem contato com esse tipo de atividade.

É de suma importância que as pessoas que participam e são responsáveis pela educação de uma criança desenvolva a consciência de que a televisão não pode ser a única fonte de divertimento, informação e prazer. Oferecer alternativas para a criança enriquecer a sua formação e evitar a exposição inadequada e exagerada.

Além disso, os pais devem participar com os filhos dessa atividade, visto a importância de estar em contato com eles, estando a par do saber e da posição em relação às informações que estão sendo adquiridas, inclusive solicitando maior participação por parte da escola.

 

Outras Notícias

 

A Criança que morde
Postado em 14/11/2018

Uma criança morde pode estar sofrendo algum problema emocional

Quando uma criança morde, pode ser um sinal de que esteja sofrendo algum problema emocional. Pode ser parte do desenvolvimento normal morder de vez em quando, mas o morder persistentemente é um sinal de ...
leia mais »

4 passos para um diálogo efetivo com os filhos
Postado em 07/11/2018

O que seus avós desejavam para os filhos há 50 anos? Esta foi a pergunta que o psicólogo e psicanalista Luiz Alberto Conti levantou para uma plateia de pais e mães aqui na Editora Abril, em São Paulo. As mais diversas respostas surgiram: que os filhos casassem, ...
leia mais »

As leis sobre diversidade
Postado em 31/10/2018

Nem sempre quem tem deficiência está matriculado na escola regular. Para reverter esse quadro, é fundamental que pais e educadores conheçam a legislação.

"Desculpe, não estamos preparados." Pais de crianças com defici&ecir...
leia mais »